INSUNORM N 100UI COM 1 FRASCO-AMPOLA DE 10ML

ASPEN PHARMA
COMPRAR INSUNORM N 100UI COM 1 FRASCO-AMPOLA DE 10ML
-36%
Produto Refrigerado
- +
Comprar

Código do Produto: 20955

Este site é seguro

Voltar Simular frete e prazo de entrega

Calcular frete e prazo de entrega

Digite seu Cep

CALCULAR
carregando fretes ...
Calcular frete e prazo de entrega
Comprar Insunorm n 100ui com 1 frascoampola de 10ml com melhor preço e entrega em todo o Brasil. Conheça todas as apresentações de Insunorm na categoria de Diabetes. Insunorm comprar com quem tem mais de 40 anos de tradição.

Atenção! Não aceitamos trocas ou devoluções de produtos refrigerados.

Mais informações sobre o produto

Comprar insunorm n 100ui com 1 frasco-ampola de 10ml com o melhor Preço.

Voltar Descrição

Qual a indicação do Insunorm N?


Insunorm N é um medicamento para diabetes, contendo 1 frasco-ampola de 10mL, à medida que é administrado por via subcutânea (SC), visando tratar pacientes com diabetes mellitus e que necessitam de insulina para manutenção dos níveis normais de glicose no organismo.
 

Qual o benefício do Insunorm N?


Por meio de um mecanismo de ação reconhecido pela lei federal, Insunorm N atua controlando os sintomas da diabete, diante da ausência da produção de insulina pelo pâncreas.
 

Composição do Insunorm N


Cada mL da suspensão injetável integra 100UI de insulina humana (derivada de DNA recombinante) (princípio ativo), bem como os excipientes listados a seguir:
 
  • - Metacresol;
  • - Glicerol;
  • - Fenol;
  • - Sulfato de protamina;
  • - Fosfato de sódio dibásico;
  • - Óxido de zinco;
  • - Água para injeção.
 

Qual a posologia do Insunorm N?


Conforme as orientações previstas pela bula original de Insunorm N, é importante prezar pela dosagem determinada pelo médico que o acompanha, devido cada estado de saúde requer um cuidado específico para atingir o alvo do desconforto.
 

Como usar Insunorm N?


Neste caso, a medicação deve ser manuseada por um especialista pela via subcutânea. Assim, deve-se guardar o conteúdo distante do alcance de crianças e dentro do prazo de validade, da mesma forma em que precisa ser consumido conforme a finalidade indicada.
 

As contraindicações do Insunorm N


Em geral, é contraindicado o consumo do fármaco Insunorm N pelas pessoas com repulsão à composição (vide substâncias), assim como não deve utilizado por aquelas que apresentem hipoglicemia.
 

Insunorm N na gravidez?


Para a segurança da maternidade, é necessário que as mulheres grávidas e lactantes só façam uso deste mediante a permissão de um especialista no caso, em vista da automedicação ser prejudicial à saúde e a qualidade de vida.
 

Insunorm N possui efeitos colaterais?


Sim, como todo medicamento, Insunorm N possui efeitos colaterais que tendem a variar de frequência e região, tais como hipoglicemia, que se caracteriza com sinais de tontura e suor, por exemplo.

Atenção: Conheça as demais reações, lendo a bula original completa aqui mesmo em nosso site.
 

Insunorm N dá sono?


Não existe informações de que Insunorm N possa causar sonolência nos enfermos. Em contrapartida, alguns apresentação uma certa dificuldade para dormir diante dos distúrbios do sono.

Atenção: Não utilize o remédio para fins não citados em bula.
 

Leia a bula do Insunorm N


A Drogaria Nova Esperança mantém o compromisso de disponibilizar a bula original do Insunorm N. Trabalhamos para que você receba todas as informações necessárias antes de decidir adquirir o que deseja em nossos departamentos.
 

Preço do Insunorm N


Buscando o menor preço do Insunorm N? Não deixe de aproveitar os melhores valores desse produto, os maiores descontos e a qualidade que só a nossa loja poderá proporcionar a você. Confira.
 

Onde comprar Insunorm N?


Aqui você encontra um eficiente serviço para entrega e total segurança dos seus dados durante a compra. Cadastre-se, aproveite os nossos descontos, parcele e em até 3x sem juros e compre o medicamento Insunorm N de forma mais barata, além de poder receber o produto no conforto da sua casa.
 

Sobre a Apsen


Fundada há 40 anos, a Apsen é uma empresa do segmento farmacêutico, responsável por produzir um extenso portfólio de produtos ligados a urologia, reumatologia, otorrinolaringologia, neurologia, geriatria, psiquiatria, gastroenterologia, ginecologia, ortopedia e clínica geral. Os Produtos Apsen visam propor saúde e bem-estar, formulados e produzidos por profissionais que entendem do assunto, e que colocam a comodidade do consumidor sempre em primeiro lugar.
 
Este conteúdo foi extraído manualmente de informações apresentadas pela marca do produto, sob supervisão técnica da farmacêutica responsável: Dra. Andreia L. A. Bertasso - CRF: 44466. Não utilize este material como substituto ao conselho médico profissional. Esse texto possui apenas fins informativos.

INSUNORM N - insulina humana (derivada de DNA recombinante). Formas farmacêuticas e apresentações: Insunorm N, suspensão injetável, é apresentado em embalagens contendo 1 frasco-ampola com 10 mL de suspensão injetável, contendo 100 Unidades Internacionais (UI) de insulina humana (DNA recombinante ) por mL. Uso: Subcutâneo. Uso adulto. Indicações: INSUNORM N contém como substância ativa insulina humana biossintética (derivada de DNA recombinante, produzida por expressão em Pichia pastoris). INSUNORM N é indicado para tratamento do diabetes mellitus quando for necessário o uso da insulina para manutenção da homeostase da glicose. Contraindicações: INSUNORM N é contraindicado nos casos de hipoglicemia e de hipersensibilidade à insulina humana ou a qualquer componente da fórmula do produto. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Advertências e precauções:: A insulina humana difere das insulinas provenientes de animais por ser estruturalmente idêntica à insulina produzida pelo pâncreas humano e pelo processo de fabricação, que é específico. Qualquer mudança de insulina deve ser feita com cautela e somente sob orientação médica. Alterações na pureza, concentração, marca (fabricante), tipo (Regular, NPH, Lenta etc.), espécie (bovina, suína, bovina-suína, humana) e/ou método de fabricação (DNA recombinante ou origem animal) podem resultar na necessidade de uma alteração na dose. Alguns pacientes que venham a usar INSUNORM N (insulina humana, derivada de DNA recombinante) poderão necessitar de um ajuste de dose, em relação à insulina de origem animal que vinham recebendo. Este ajuste poderá ocorrer na primeira dose ou durante as primeiras semanas ou meses. Alguns pacientes que apresentaram reações hipoglicêmicas após serem transferidos da insulina de origem animal para insulina humana relataram que os primeiros sintomas de alerta de hipoglicemia foram menos pronunciados ou diferentes daqueles experimentados com a insulina de origem animal. Hipoglicemia durante a insulinoterapia: A hipoglicemia é uma das reações adversas mais frequentes, experimentadas por pacientes sob insulinoterapia. Pode ser causada por: Administração de dose excessiva de insulina; Perda ou atraso das refeições; Exercício ou trabalho acima do normal; Doenças infecciosas (principalmente com diarreia ou vômito); Alterações na necessidade de insulina por parte do organismo; Doenças das glândulas suprarrenais, hipófise ou tireoide ou evolução de doença renal ou hepática; Interações com outras drogas que diminuem a glicemia, tais como hipoglicemiantes orais, salicilatos (por ex., aspirina), sulfas e alguns antidepressivos; Consumo excessivo de bebidas alcoólicas. Os sintomas de hipoglicemia de leve a moderada gravidade podem ocorrer subitamente e incluem: sudorese, tontura, palpitação, tremor, fome, inquietação, sonolência, distúrbios do sono, ansiedade, visão embaçada, dificuldade de fala, humor deprimido, tremor (mãos, pés, lábios ou língua), sensação de cabeça leve, incapacidade de concentração, cefaleia, irritabilidade, comportamento anormal, movimento instável, alterações da personalidade. Os sintomas de hipoglicemia grave incluem: desorientação, inconsciência, convulsões e morte. Portanto, é importante que seja prestada assistência médica imediatamente. Os primeiros sintomas de alerta de hipoglicemia podem ser diferentes ou menos pronunciados sob certas condições, tais como: diabetes de longa duração, presença de neuropatia diabética, uso de medicações como betabloqueadores, alterações na formulação de insulina ou intensificação no controle do diabetes (três ou mais injeções de insulina por dia). Os pacientes devem ser alertados quanto a essas possibilidades. Sem o reconhecimento dos primeiros sintomas de alerta, o paciente pode não ser capaz de tomar as providências para evitar uma hipoglicemia mais grave. Por essa razão, deve estar alerta para os vários tipos de sintomas que possam indicar hipoglicemia. Os pacientes que já apresentaram hipoglicemia sem os primeiros sintomas de alerta, devem monitorar a taxa de glicose no sangue frequentemente, especialmente antes de atividades, tais como dirigir. Se a taxa de glicose no sangue estiver abaixo da glicemia normal em jejum, o paciente deve comer ou beber alimentos contendo açúcar para corrigir a hipoglicemia. A hipoglicemia de leve a moderada gravidade pode ser tratada com ingestão de alimentos ou bebidas contendo açúcar. Os pacientes devem ter sempre à mão uma fonte rápida de açúcar, tais como balas açucaradas ou tabletes de açúcar. A hipoglicemia mais grave pode requerer assistência médica. Pacientes incapazes de ingerir açúcar ou que estejam inconscientes necessitam de injeção de glucagon ou devem ser tratados com a administração intravenosa de glicose em estabelecimento médico apropriado. Os pacientes devem aprender a reconhecer os sintomas próprios de hipoglicemia. Se não houver segurança com relação aos sintomas, monitorar a glicose no sangue com frequência para ajudar a reconhecê-los. Se houver episódios frequentes de hipoglicemia ou dificuldade em reconhecer os sintomas, o paciente deverá ser orientado a consultar o médico para discutir possíveis alterações na terapia, planos de alimentação e/ou programas de exercícios para ajudar a evitar a hipoglicemia. Hiperglicemia e cetoacidose diabética: A hiperglicemia pode se desenvolver se os níveis de insulina no organismo forem muito baixos. Pode ser causada por: Não tomar ou tomar menos insulina do que a prescrita pelo médico. Comer acima do regime alimentar estabelecido. Desenvolvimento de febre ou infecção ou outra situação de estresse. Em pacientes com diabetes tipo 1, a hiperglicemia prolongada pode resultar em cetoacidose diabética. Os primeiros sintomas de cetoacidose diabética aparecem gradativamente, após um período de horas ou dias e incluem: sensação de fadiga, rubor facial, sede, perda de apetite e hálito com odor de maçã fresca. Na acidose, os testes de urina mostram grande quantidade de glicose e corpos cetônicos. Os sintomas mais graves são dispneia e taquicardia. Se não tratada, a cetoacidose diabética pode levar a náusea, vômito, desidratação, perda de consciência e morte. Portanto, é importante que o paciente receba assistência médica imediatamente. Uso durante a gravidez e amamentação: Não há restrições no tratamento do diabetes com insulina durante a gravidez, uma vez que a insulina não atravessa a barreira placentária. É fundamental manter um controle adequado da paciente tratada com insulina (diabetes insulino-dependente ou gestacional) durante toda gravidez. As necessidades de insulina geralmente diminuem durante o primeiro trimestre e aumentam durante o segundo e terceiro trimestres. As pacientes devem informar ao seu médico se estiverem grávidas ou se pretenderem engravidar. Pacientes diabéticas que estiverem amamentando podem necessitar de ajustes de doses, de dieta ou ambos. A Insulina é a droga de escolha no controle do diabetes mellitus durante a gravidez. Fator de Risco B. Na Lactação pode ocorrer excreção no leite. Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista. Carcinogênese, mutagênese e danos à fertilidade: A insulina humana biossintética é produzida por tecnologia recombinante. Nenhum evento sério foi reportado nos estudos toxicológicos subcrônicos. A insulina humana não foi mutagênica em bactérias em ensaios de toxicidade genética in vitro e in vivo. Doenças ou alterações emocionais: Durante uma doença ou alterações emocionais as necessidades de insulina podem ficar aumentadas. Doenças concomitantes: Na presença de doenças das glândulas suprarrenais, hipófise ou tireoide e de insuficiência renal ou hepática, as necessidades de insulina podem ser significativamente alteradas. Mudança nas atividades ou na dieta: Poderá ser necessário um ajuste da dose se os pacientes aumentarem a sua atividade física ou mudarem sua dieta usual. Efeitos sobre a capacidade de dirigir e operar maquinário: A capacidade de concentração e reação do paciente pode ser prejudicada como resultado de hipoglicemia. Isto pode constituir um risco em situações onde estas habilidades sejam de especial importância, como, por exemplo, dirigir carro e operar maquinário. Os pacientes devem ser instruídos a tomar as precauções para evitar a ocorrência de hipoglicemia enquanto estiverem dirigindo. Isto é particularmente importante no caso de pacientes que costumam ter dificuldade de perceber os sintomas de alerta de hipoglicemia ou naqueles que têm episódios frequentes de hipoglicemia. A incapacidade de dirigir automóveis nestas circunstâncias deve ser considerada. Uso em idosos, crianças e outros grupos de risco: crianças - Não foram realizados estudos de segurança e eficácia com pacientes pediátricos. Idosos - Devem usar com cuidado pelo risco aumentado de hipoglicemia. Pacientes com insuficiência renal – Não foram realizados estudos de segurança e eficácia em pacientes com insuficiência renal. Precauções devem ser tomadas durante o uso do produto nestes pacientes. Podem ser necessários ajustes nas doses. Pacientes com insuficiência hepática – Não foram realizados estudos de segurança e eficácia em pacientes com insuficiência hepática. Precauções devem ser tomadas durante o uso do produto nestes pacientes. Podem ser necessários ajustes nas doses. Reações adversas: Lipodistrofia - Raramente, a administração subcutânea de insulina pode resultar em lipoatrofia (depressão na pele) ou lipo-hipertrofia (aumento ou espessamento do tecido). Uma mudança na técnica de injeção pode ajudar a aliviar o problema. Metabólicas - Hipoglicemia (ver advertências), resistência à insulina. Alergia à insulina: Alergia local - Ocasionalmente, os pacientes apresentam eritema, edema e prurido no local da injeção de insulina. Esta reação usualmente desaparece em poucos dias ou em poucas semanas. Em alguns casos, pode estar relacionada a outros fatores, tais como irritação causada por drogas usadas na limpeza da pele ou por técnica inadequada de injeção. Alergia sistêmica - Menos comum, mas potencialmente mais grave, é a alergia generalizada à insulina, que pode causar erupção em todo o corpo, dispneia, sibilância, hipotensão, taquicardia ou sudorese. Casos graves de alergia generalizada podem causar risco de morte. Nos estudos da Biocon Limited com Insugen/Insunorm (Insunorm R, Insunorm N e Insunorm70/30), em que se analisaram 6097 pacientes diabéticos, ocorreram eventos adversos em 27 (0,44%) - não sérios em 22 (0,36%) e sérios em 5 (0,08%) -relatados em vários grupos de tratamento analisados em conjunto. Dentro dos critérios de ocorrência só foram observadas reações incomuns e raras. Dos 27 eventos adversos 25 foram hipoglicemia, 1 cefaleia e 1 urticária. Reação incomum (>1/1.000 e ≤1/100: >0,1% e ≤1%): Hipoglicemia (0,41%). Reações raras (> 0,01% e ≤ 0,1%): Cefaleia (0, 016%) e urticária (0,016%). Interações medicamentosas, com alimento e com álcool: As necessidades de insulina podem ser aumentadas se o paciente estiver tomando medicamentos capazes de elevar a glicemia, tais como: contraceptivos orais, corticosteroides ou hormônios da tireoide. As necessidades de insulina podem ser reduzidas na presença de drogas hipoglicemiantes, tais como: hipoglicemiantes orais, salicilatos (por ex., aspirina), sulfas e alguns antidepressivos (inibidores da MAO). Não foram estudados os efeitos da mistura de INSUNORM N com insulinas de origem animal ou insulina humana de outros fabricantes. Interação medicamento/alimento: Alimento: Ervas/Suplementos nutricionais: Recomenda-se cautela no uso de produtos contendo cromo (frequentemente presente na forma de picolinato de cromo, em alguns suplementos nutricionais), alho (óleo de alho) ou gimnema (Gymnema sylvestre), pois podem aumentar o risco de hipoglicemia em pacientes usando insulina. Álcool: Pequenas quantidades de álcool, tomadas numa refeição, geralmente, não causam problemas. Contudo grandes quantidades de álcool tomadas por um tempo longo ou numa única ocasião, sem alimento, pode aumentar o efeito hipoglicemiante da insulina. Isto pode manter os níveis baixos de glicose no sangue por um período maior do que o normal. Interação medicamento/exames laboratoriais: O uso de insulina interfere nos resultados de alguns exames laboratoriais, que servem como parâmetros de monitorização da insulinoterapia. São eles: Exame de urina: glicose e cetona; Exame de sangue: glicose, eletrólitos (a insulina desloca o potássio do espaço extracelular para o intracelular, diminuindo, consequentemente, a concentração sérica de potássio), Hb A1c (hemoglobina glicosilada). Posologia: A posologia é individualizada e determinada em função das necessidades do paciente. A necessidade média diária de insulina para tratamento do diabetes varia, geralmente, entre 0,5 e 1 UI/kg, mas depende das necessidades metabólicas individuais. Por essa razão, é recomendável um controle metabólico adequado, que inclui monitorização frequente da glicemia, especialmente em pacientes geriátricos, com atenção especial para evitar ocorrência de episódios de hipoglicemia. INSUNORM N deve ser administrado subcutaneamente, de preferência na coxa ou parede abdominal. Se conveniente, poderá se usada a região glútea ou a deltoidea. A injeção subcutânea na parede abdominal resulta numa absorção mais rápida do que as efetuadas em outras regiões. Alternar os locais de injeção, de maneira que o mesmo local não seja utilizado mais que uma vez por mês, aproximadamente. Após a injeção de insulina o local da aplicação não deve ser massageado. Os pacientes devem ser orientados quanto às técnicas apropriadas de injeção. Trinta minutos após a injeção o paciente deverá consumir um alimento contendo carboidratos. A dose usual de insulina pode ser afetada por variações na alimentação, atividade física ou esquema de trabalho. O paciente deve seguir cuidadosamente as instruções médicas para evitar essas variações. Outros fatores também capazes de afetar a dose de insulina são: Doenças: Especialmente as que evoluem com náuseas e vômitos, podem causar variações nas necessidades de insulina. Mesmo que o paciente não esteja comendo, ainda assim ele irá necessitar de insulina. Em caso de doença, um planejamento diário especial de doses deve ser estabelecido, com base no tipo de doença e estado do paciente. Gravidez: o controle do diabetes é especialmente importante para a paciente e o bebê. O paciente pode ter mais dificuldades de controlar a diabetes durante a gravidez. Caso a paciente esteja amamentando, pode necessitar fazer ajustes de doses, de dieta ou ambos. Crianças: Não foram realizados estudos de segurança e eficácia em pacientes pediátricos. Pacientes idosos: devem usar com cuidado pelo risco aumentado de hipoglicemia. Pacientes com insuficiência renal (mau funcionamento dos rins): Não foram realizados estudos de segurança e eficácia em pacientes com insuficiência renal. Precauções devem ser tomadas durante o uso do produto nestes pacientes. Ajuste na dosagem poderá ser requerido. Pacientes com insuficiência hepática (mau funcionamento do fígado): Não foram realizados estudos de segurança e eficácia em pacientes com insuficiência hepática. Precauções devem ser tomadas durante o uso do produto nestes pacientes. Ajuste na dosagem poderá ser requerido. Medicamentos: Muitos medicamentos podem interferir na necessidade de insulina, tais como os listados na parte desta bula que trata das Interações Medicamentosas. Atividade física: A prática de exercícios pode diminuir as necessidades orgânicas de insulina durante e algum tempo após a atividade. Os exercícios podem também acelerar o efeito de uma dose de insulina, especialmente se o exercício envolver a área do corpo relacionada ao local da injeção (por exemplo, as pernas não devem ser usadas para injeção se o paciente depois for correr). Viagem: Ajustes de doses devem ser feitos se o paciente estiver viajando para locais com mais de duas horas de diferença de fuso horário. Registro no MS.: 1.3764.0115. VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA. Material destinado exclusivamente a profissionais de saúde habilitados a prescrever e dispensar medicamentos. É proibida a transferência deste material. Informações adicionais para prescrição, vide bula completa do produto ou mediante solicitação ao SAC: 0800 026 23 95 | sac@br.aspenpharma.com. Registrado por: Aspen Pharma Indústria Farmacêutica LTDA. Endereço: Avenida Acesso Rodoviário Módulo 1 – Quadra 9 – Bairro Tims, Serra, Espírito Santo. 12/04/2019. V02

"Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde"

Aproveite e Compre também

Os produtos abaixo são relacionados ao produto visitado, aproveite para conhecê-los.

COMPRAR INSUNORM N 100UI COM 1 FRASCO-AMPOLA DE 10ML

INSUNORM N 100UI COM 1 FRASCO-AMPOLA DE 10ML

por apenas R$ 40,07
Email cadastrado com sucesso! Erro! Não foi possível realizar o cadastro. Carregando ...
Voltar ao topo

Para o perfeito funcionamento do site é preciso que o JavaScript esteja ativado no navegador.
Para ativá-lo, escolha seu navegador e siga as instruções abaixo:

Google Chrome

  1. Clique no ícone do menu na barra de ferramentas do navegador.
  2. Selecione Configurações.
  3. Clique no link Mostrar configurações avançadas....
  4. Clique em Configurações de conteúdo na seção Privacidade.
  5. Selecione Permitir que todos os sites executem JavaScript na seção JavaScript.

Mozilla Firefox

  1. Selecione Ferramentas no menu superior.
  2. Escolha Opções.
  3. Selecione Conteúdo no menu de navegação superior.
  4. Marque a caixa de seleção ao lado de Ativar JavaScript e clique em OK.

Internet Explorer

  1. Selecione Ferramentas no menu superior.
  2. Escolha Opções da Internet.
  3. Clique na guia Segurança.
  4. Clique em Nível personalizado.
  5. Desça até ver a seção Scripts.
  6. Em "Script ativo", selecione Ativar e clique em OK.

Apple Safari

  1. Abra o menu Safari na barra de ferramentas do navegador.
  2. Escolha Preferências.
  3. Escolha Segurança.
  4. Marque a caixa de seleção ao lado de Ativar JavaScript.
Olá, posso ajudar?
Indicativo de Busca
Televendas 11 3990-7720
Chat Fale agora com nossos atendentes