ALLESTRA 20 COM 21 DRÁGEAS

ACHE
COMPRAR ALLESTRA 20 COM 21 DRÁGEAS
-15%
- +
Comprar

Código do Produto: 2884

Este site é seguro

Voltar Simular frete e prazo de entrega

Calcular frete e prazo de entrega

Digite seu Cep

CALCULAR
carregando fretes ...
Calcular frete e prazo de entrega
Comprar Allestra 20 com 21 drágeas com melhor preço e entrega em todo o Brasil. Conheça todas as apresentações de Allestra na categoria de Anticoncepcional. Allestra comprar com quem tem mais de 40 anos de tradição.
Mais informações sobre o produto

Comprar allestra 20 com 21 drágeas com o melhor Preço.

Voltar Descrição

Qual a indicação do Allestra?


Allestra é um anticoncepcional, com 75mcg de gestodeno e 20mcg de etinilestradiol (princípios ativos) em uma embalagem contendo 21 drágeas, de uso adulto e administrado por via oral. Sua indicação visa prevenir uma possível gestação.
 

Qual a dosagem do Allestra?


Segundo as informações previstas em bula, Allestra deve ser administrado por via oral, conforme as recomendações médicas, que serão baseadas conforme o ciclo menstrual de cada mulher.
 

Como tomar Allestra


Desenvolvido em drágea azul-clara com superfície lisa brilhante, Allestra deve ser tomado no horário indicado pelo médico ginecologista, com o auxílio de um copo de água para facilitar a deglutição.
 

Dúvidas frequentes sobre o Allestra


O uso de alguns medicamentos acabam deixando a paciente com algumas dúvidas no que se refere ao seu consumo. Com os anticoncepcionais não é diferente, devido suas dosagens e algumas alterações que variam de um remédio para o outro. Pensando nisso, destacamos algumas das principais questões. Confira.
 

Qualquer paciente pode tomar Allestra?


Não, apenas mulheres que desejam evitar ou adiar a gravidez. Desta forma, crianças, homens e mulheres que desejam engravidar não devem fazer o uso de Allestra.
 

Trocando outro contraceptivo oral por Allestra


Neste caso, é recomendando ingerir o primeiro comprimido do novo anticoncepcional no dia seguinte do antigo, sem nenhum tipo de pausa ou interrupção.
 

O que fazer em caso de sangramentos inesperados?


O uso de Allestra pode gerar sangramento. Assim, é interessante ressaltar que a reação não interfere no tratamento, nem em seus resultados.
 

Allestra: primeiro anticoncepcional


Caso Allestra seja seu primeiro anticoncepcional é necessário administrá-lo no primeiro dia da menstruação, de acordo com a recomendação médica.
 

Posso tomar Allestra por conta própria?


Em nenhuma hipótese, Allestra deve ser ingerido sem recomendações médicas. Isso porque este tipo de contraceptivo só é indicado de acordo com estado hormonal de cada mulher.
 

Qual o benefício do Allestra?


Por ser um contraceptivo, o fármaco oferece mais comodidade para a mulher planejar o seu cotidiano, ao ter oportunidade de adiar ou inibir uma gestação. Utilizando substâncias seguras e não agressivas, a comunidade feminina tem mais autonomia sobre a sua vida.
 

Composição do Allestra


Cada drágea deste anticoncepcional contém 75mcg de gestodeno e 20mcg de etinilestradiol (princípios ativos), além dos excipientes lactose monoidratada, sacarose, amido, celulose microcristalina, azul de indigotina (corante), croscarmelose sódica, dióxido de titânio, edetato dissódico di-hidratado, copolímero metacrilato butilato básico, estearato de magnésio, goma arábica, macrogol, povidona e talco.
 

As contraindicações do Allestra


É contraindicada às pacientes alérgicas à sua composição (vide substâncias), e por aqueles com trombose, embolia pulmonar, derrame cerebral, ataque cardíaco, coágulos arteriais ou venosos, enxaqueca, diabetes mellitus com lesão de vasos sanguíneos, doença do fígado, tumor no fígado, câncer, sangramento vaginal sem explicação.
 

Allestra na gravidez?


Gestantes e mulheres em fase de amamentação não devem fazer o uso de Allestra, uma vez que ele é fabricado com o intuito de ajudar as pacientes a se prevenirem da gravidez.
 

Allestra possui efeitos colaterais?


A ingestão deste anticoncepcional pode gerar algumas reações, embora estas não sejam válidas para todas que a consumir, como as comuns: náuseas, dor abdominal e dor de cabeça. Rara: hipersensibilidade.

Atenção: Conheça as demais reações, lendo a bula original completa aqui mesmo em nosso site.
 

Leia a bula do Allestra


A Drogaria Nova Esperança mantém o compromisso de disponibilizar a bula original do Allestra. Trabalhamos para que você receba todas as informações necessárias antes de decidir adquirir o que deseja em nossos departamentos.
 

Preço do Allestra


Buscando o menor preço do Allestra? Não deixe de aproveitar os melhores valores desse produto, os maiores descontos e a qualidade que só a nossa loja poderá proporcionar a você. Confira.
 

Onde comprar Allestra?


Aqui você encontra um eficiente serviço para entrega e total segurança dos seus dados durante a compra. Cadastre-se, aproveite os nossos descontos, parcele e em até 3x sem juros e compre o medicamento Allestra de forma mais barata, além de poder receber o produto no conforto da sua casa.
 

Sobre o Aché


Fundada em 1966, sendo comprometida com a missão de desenvolver produtos e serviços inovadores, a Aché é um laboratório farmacêutico brasileiro, que busca atender as necessidades e expectativa dos profissionais da saúde e melhorar a vida das pessoas. Seu foco está nos segmentos de medicamentos genéricos, sob prescrição, dermomedicamentos, dermocosméticos, nutracêuticos, probióticos e biotecnológicos, disponibilizados em múltiplos canais pelo território nacional.Os Produtos Aché buscam oferecer saúde e bem-estar, com fórmulas químicas eficientes, sempre prezando pela sua sustentabilidade.
 
Este conteúdo foi extraído manualmente da bula original, sob supervisão técnica da farmacêutica responsável: Dra. Andreia L. A. Bertasso - CRF: 44466. Não utilize este material como substituto ao conselho médico profissional. Esse texto possui apenas fins informativos. Leia a Bula Original.

Laboratório Aché Apresentação de Allestra 20 Drg. em blíster de 21 Cada drágea contém: Gestodeno: 0,075 mg Etinilestradiol: 0,020 mg Allestra 20 - Informações Allestra 20 é um anticoncepcional oral monofásico, que combina o componente estrogênico etinilestradiol com o componente progestogênico gestodeno. Allestra 20 age originalmente inibindo o eixo hipotálamo hipófise ovário. Este processo se realiza pela inibição das secreções de LH, FSH, estradiol e progesterona a níveis que suprimem a ovulação já no primeiro ciclo de tratamento. O mecanismo primário de um anticoncepcional oral combinado é a supressão da foliculogênese. Além deste mecanismo de ação, Allestra 20 apresenta outras ações que impedem uma gravidez, tais como: alteração da qualidade do muco cervical, que impede a espermomigração, alteração da motilidade ovariana e a alteração do endométrio, tornando o pouco receptivo para a implantação do óvulo. O gestodeno é absorvido rápida e completamente pelo trato gastrintestinal; apresenta alta biodisponibilidade, em torno de 100%, após administração oral única ou múltipla. A concentração plasmática do gestodeno aumenta subseqüentemente ao tratamento dando lhe uma melhor performance terapêutica. Allestra 20 - Indicações Anticoncepcional oral. Contra-indicações de Allestra 20 Allestra 20 é contra indicado em pacientes que apresentem hipersensibilidade a quaisquer dos componentes de sua fórmula. Allestra 20 não deve ser usado na gravidez; distúrbios cardiovasculares ou cerebrovasculares, por exemplo tromboflebites, processos tromboembólicos ou antecedentes dessas condições; hipertensão grave; alterações hepáticas graves; icterícia ou prurido persistente durante gestação anterior; síndrome de dubin johnson e de rotor; tumores hepáticos atuais ou antecedentes dos mesmos; processos tromboembólicos arteriais ou venosos, ou antecedentes dos mesmos, bem como condições que aumentem a tendência a tais enfermidades (por exemplo, distúrbios do sistema de coagulação com tendência à trombose, doença cardiovascular, fibrilação atrial); anemia falciforme; neoplasia estrógeno dependente confirmada ou suspeita, como por exemplo, carcinoma de mama ou de endométrio; diabetes mellitus grave com alterações vasculares; transtornos do metabolismo lipídico; antecedentes de herpes gestacional; otosclerose com agravamento durante alguma gestação precedente; sangramento genital não diagnosticado. Advertências Antes de iniciar o tratamento devem ser realizados exames clínico geral e ginecológico minuciosos (incluindo mamas e citologia cervical), inclusive com cuidadosa anamnese familiar. Devem ser descartados distúrbios do sistema de coagulação, no caso de algum dos membros da família, em idade jovem, ter sofrido de enfermidades tromboembólicas (por exemplo, trombose venosa profunda, apoplexia, infarto do miocárdio). A possibilidade de haver gestação deve ser excluída. Recomenda-se exames médicos periódicos durante o tratamento prolongado com medicamentos contendo estrogênios e/ou progestagênios. O tratamento com Allestra 20 deve ser interrompido se ocorrerem cefaléia do tipo enxaqueca em pacientes que nunca tiveram este sintoma, Ou cefaléias freqüentes com intensidade fora do habitual; Perturbações repentinas da visão, da audição ou outras disfunções perceptivas; sinais precursores de tromboflebites ou tromboembolias (por exemplo, dores não-habituais nas pernas ou edemas não-habituais nos braços ou pernas, dores do tipo pontada ao respirar ou tosse sem motivo aparente); sensação de dor e constrição no tórax. A medicação também deve ser suspensa em caso de cirurgias programadas (6 semanas antes da data prevista), ou imobilização forçada, decorrente, por exemplo, de acidentes ou cirurgias. São também razões para suspender a medicação: aparecimento de icterícia ou hepatite, prurido generalizado, aumento de crises epilépticas, acentuada elevação da pressão arterial, depressão grave, dores epigástricas intensas ou aumento do volume do fígado. Nos casos seguintes, as pacientes devem ser mantidas sob cuidadosa vigilância médica, e uma piora em algum desses casos pode indicar que o uso de anticoncepcionais orais deve ser interrompido: hipertensão, veias varicosas, antecedentes de flebites, otosclerose, esclerose múltipla, epilepsia, porfiria, tetania ou coréia menor, disfunções renais, história familiar de distúrbios da coagulação com tendência à trombose, obesidade, nódulos mamários ou história familiar de câncer mamário, antecedentes de depressão clínica, lupus eritematoso sistêmico, Miomas uterinos, enxaquecas. Se ocorrerem quaisquer sinais de processos tromboembólicos, tais como infarto do miocárdio, embolia pulmonar, tromboflebite, apoplexia, trombose retiniana, o tratamento deverá ser interrompido imediatamente. Com relação à trombose arterial (por exemplo, apoplexia, infarto do miocárdio) parece ocorrer aumento no risco relativo quando existem concomitantemente os seguintes fatores: consumo intenso de cigarro, idade mais avançada e tratamento com anticoncepcionais orais combinados. Mulheres com idade acima de 35 anos, que utilizam anticoncepcionais orais, devem ser rigorosamente advertidas a não fumarem. Além disso, algumas enfermidades como hipertensão, hiperlipidemia, obesidade e diabetes Mellitus podem aumentar o risco de eventos tromboembólicos associados ao uso de anticoncepcionais orais. A adequação do uso de anticoncepcionais orais na presença das patologias acima descritas deve ser avaliada e discutida com as pacientes antes do início do tratamento. Alterações nos níveis de triglicérides séricos, colesterol e lipoproteínas, bem como diminuição na tolerância à glicose, têm sido relatadas com o uso de anticoncepcionais orais. Pode ocorrer aumento na pressão arterial com o uso de anticoncepcionais orais, a qual, geralmente, retorna ao valor normal após a interrupção do tratamento. Após a interrupção do uso de anticoncepcionais orais, algumas mulheres podem apresentar amenorréia ou oligomenorréia, especialmente se estas condições já existiam antes do início do tratamento. As pacientes devem ser informadas a respeito desta possibilidade. Após o tratamento com substâncias hormonais, foram observadas, em casos raros, alterações hepáticas benignas e, mais raramente, alterações malignas, que em casos isolados podem ocasionar hemorragias intra-abdominais com risco para a paciente. Se ocorrerem transtornos epigástricos graves, aumento do tamanho do fígado ou sinais de hemorragia intra-abdominal, deve-se incluir tumor hepático nas considerações diagnóstico-diferenciais. Dados preliminares relataram um aumento no risco de desenvolvimento de doenças da vesícula biliar, cirurgicamente confirmadas, com o uso de estrogênios e anticoncepcionais orais. No entanto, dados mais recentes demonstram que o risco relativo de desenvolvimento pode ser mínimo. A relação entre o uso de anticoncepcionais orais e câncer da mama mantém-se inconclusiva. Dados epidemiológicos têm revelado que não há aumento no risco de câncer de mama em mulheres que sempre utilizaram anticoncepcionais orais, sugerindo um possível aumento dos riscos em certos subgrupos de mulheres, ainda que permaneçam conflitantes. Se ocorrerem vômitos ou diarréia dentro de 3 a 4 horas após a ingestão de Allestra 20, as substâncias ativas podem não terem sido absorvidas adequadamente. Deve-se continuar o tratamento, a fim de evitar sangramento prematuro por privação, e, adicionalmente, usar um método anticoncepcional não-hormonal até o final do ciclo. Se a disfunção gastrintestinal for prolongada, deve-se considerar a mudança para outro método de contracepção. Fica a critério médico a conveniência do uso de Allestra 20 durante o período de lactação. Os anticoncepcionais orais, podem afetar a qualidade e reduzir a quantidade do leite materno. Além disso, uma pequena quantidade de componentes hormonais foi identificada no leite materno. Os efeitos sobre o lactente, caso existam, não foram determinados. Ocasionalmente, verifica-se cloasma durante o uso de medicamentos contendo estrogênio e/ou progestagênio, especialmente em mulheres Com antecedentes de cloasma gravídico e pode ocorrer em 5% a 29%. As mulheres com tendência a cloasma devem evitar exposição ao sol Durante o tratamento com esses medicamentos. Durante o uso de anticoncepcionais contendo estrogênio e progestogênio poderá ocorrer depressão. Caso isto seja acompanhado de distúrbio No metabolismo do triptofano, a administração de cloridrato de piridoxina poderá ter valor terapêutico. Também pode ocorrer depressão Por deficiência de piridoxina (vitamina b6). O uso de esteróides pode influenciar os resultados de determinados testes laboratoriais. Atenção diabéticos: contém açúcar. Este medicamento causa malformação ao bebê durante a gravidez Uso na gravidez de Allestra 20 Este medicamento causa malformação ao bebê durante a gravidez. Fica a critério médico a conveniência do uso de Allestra 20 durante o período de lactação. Os anticoncepcionais orais, podem afetar a qualidade E reduzir a quantidade do leite materno. Além disso, uma pequena quantidade de componentes hormonais foi identificada no leite materno. Os efeitos sobre o lactente, caso existam, não foram determinados. Interações medicamentosas de Allestra 20 Indutores de enzimas hepáticas, tais como, primidona, fenitoínas, fenilbutazona e griseofulvina: podem diminuir a eficácia de Allestra 20. Em tratamentos prolongados com indutores de enzimas hepáticas, deve ser utilizado outro método de contracepção. Amitriptilina: apresentam interação com o aumento ou diminuição dos efeitos dos antidepressivos tricíclicos. O principal efeito é a atenuação antidepressiva e a toxicidade dos tricíclicos (hipotensão, atasia e torpor). Antibióticos como: ampicilina, amoxicilina e tetraciclina: diminuem a eficácia do produto por redução da absorção do anticoncepcional, decorrente da flora intestinal, alterando a circulação enterohepática. Com isso, a paciente deve usar adicionalmente um método anticoncepcional não-hormonal, durante o período de tratamento conjunto e por sete dias após o término do antibiótico. Se o período de sete dias ultrapassar o término da cartela, a próxima deverá ser iniciada sem a realização da pausa entre elas. Neste caso, o sangramento por privação deve ocorrer somente no final da segunda cartela. Se o sangramento não ocorrer, a possibilidade de gravidez deve ser verificada, antes do início da nova cartela. Betametasona e dexametasona: os anticoncepcionais têm sido demonstrados como potencializadores dos efeitos dos corticóides. Carbamazepina: aparecimento de spotting e sangramentos irregulares decorrentes do aumento do metabolismo dos anticoncepcionais, diminuindo seus efeitos. Benzodiazepínicos: podem diminuir o metabolismo dos benzodiazepínicos, determinando um maior efeito dos mesmos por inibição do metabolismo oxidativo, resultando clinicamente em um quadro de depressão e hipotensão. Hidrocortisona: aumento da ação antiinflamatória da hidrocortisona e da prednisona, decorrente do aumento da meia-vida em 2 a 3 vezes. Fenobarbital: os barbitúricos fazem com que aumente o metabolismo do anticoncepcional oral, determinando irregularidade menstrual e redução da eficiência contraceptiva. Rifampicina: por alteração da circulação enterohepática e alteração do metabolismo nos progestogênios, o uso concomitante determina aumento da falha do anticoncepcional. A utilização de método anticoncepcional adicional deve ser mantida durante 4 semanas após o término do tratamento, mesmo após um curto período de administração. Tabaco: a utilização concomitante com mais de 15 cigarros/dia, pode aumentar o risco de efeitos adversos em pessoas acima de 35 anos. Cafeína: o anticoncepcional oral aumenta a meia-vida de cafeína de 4% para 90% e diminui o clearance da mesma em 65% pela inibição do seu metabolismo, podendo determinar estimulação do SNC. Álcool etílico: diminuição do metabolismo do álcool, prolongando os efeitos do mesmo. Hipoglicemiantes orais ou insulina: ajustes de doses podem ser necessárias, como resultado do efeito da tolerância à glicose Reações adversas / Efeitos colaterais de Allestra 20 Foram associados ao tratamento com estrogênio e/ou progestogênio as seguintes reações: trato geniturinário: sangramento intermenstrual, amenorréia e amenorréia pós medicação, alterações na secreção cervical, aumento no tamanho dos fibromiomas uterinos, agravamento de endometriose, certas infecções vaginais como a candidíase e/ou outras infecções genitais. Sistema hematológico: púrpura trombocitopênica, tromboembolismo, hiperglicemia e/ou intolerância à glicose. Mamas: sensibilidade, dor, aumento e/ou secreção mamária. Sistema gastrintestinal: náusea, vômitos, colelitíase, icterícia colestática, gengivite e/ou pigmentação gengival. Sistema cardiovascular: infarto do miocárdio e/ou aumento da pressão arterial. Pele: cloasma, eritema nodoso e/ou exantema. Olhos: desconforto da córnea quando em uso de lentes de contato. Sistema nervoso central: cefaléia, enxaqueca, alterações do humor, depressão, corea e/ou adenomas da pituitária. Diversos: retenção de líquidos, redução da tolerância à glicose, alteração do peso corporal, diminuição da libido e/ou deficiência de piridoxina. Allestra 20 - Posologia Uma drágea ao dia durante 21 dias consecutivos, sempre no mesmo horário, iniciando no primeiro dia do ciclo (primeiro dia de sangramento). Nos ciclos subsequentes, deverá ser observado um intervalo de 7 dias entre a última drágea do ciclo que termina e a primeira drágea do ciclo que se inicia. Se não ocorrer o sangramento por privação neste intervalo, o tratamento não deve ser continuado até que seja excluída a possibilidade de gravidez. Allestra 20 é eficaz a partir do primeiro dia de tratamento, se as drágeas forem iniciadas no primeiro dia do ciclo, como descrito. Pode ocorrer, em casos isolados, sangramento por disrupção e spotting , principalmente durante os 3 primeiros meses de utilização de Allestra 20, que, geralmente, cessa espontaneamente. A paciente deve, entretanto, continuar o tratamento com Allestra 20, mesmo em caso de sangramento irregular. Caso o sangramento persista ou recorra, diagnóstico apropriado, incluindo curetagem, faz se necessário para excluir causas orgânicas. Devem também ser investigados os sangramentos irregulares quando ocorrem em vários ciclos consecutivos ou que ocorrem pela primeira vez após prolongado uso de Allestra 20. Se a paciente esquecer de tomar uma drágea no horário habitual, deve tomá la no período das 12 horas subsequentes. Se houver transcorrido mais de 12 horas, a proteção contraceptiva pode estar reduzida neste ciclo, devendo ser empregados, adicionalmente, métodos anticoncepcionais não hormonais, com exceção dos métodos de ritmo (Ogino Knaus) e da temperatura, até o final do ciclo. Prossegue se tomando as drágeas restantes (a drágea ou as drágeas esquecidas não devem ser tomadas) a fim de evitar sangramento prematuro por privação. Na troca de outro anticoncepcional oral para Allestra 20, o início do tratamento deve ser feito no primeiro dia em que ocorrer sangramento por privação, após a ingestão da última drágea ativa do anticoncepcional anterior ao Allestra 20. O produto pode ser prescrito durante o período pós parto ou pós abortamento, tão logo ocorra a primeira menstruação após um ciclo bifásico normal. Quando, por razões médicas, outra gravidez for contra indicada, o tratamento com Allestra 20 deve ser iniciado no 12º dia após o parto (nunca antes do 7º dia) ou no 5º dia após o abortamento, no mais tardar. Deve se considerar que a administração de anticoncepcionais orais no período imediatamente após o parto ou abortamento aumenta o risco de ocorrência de doenças tromboembólicas. Superdosagem A superdosagem pode causar náuseas e vômitos; algumas mulheres podem apresentar hemorragia por supressão. É razoável assumir que os procedimentos gerais de lavagem gástrica e tratamento geral de suporte devam ser empregados

ISTO É UM MEDICAMENTO, NÃO USE SEM PREESCRIÇÃO MÉDICA E ORIENTAÇÃO DO FARMACÊUTICO. AO PERSISTIREM OS SINTOMAS O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.

Aproveite e Compre também

Os produtos abaixo são relacionados ao produto visitado, aproveite para conhecê-los.

COMPRAR ALLESTRA 20 COM 21 DRÁGEAS

ALLESTRA 20 COM 21 DRÁGEAS

por apenas R$ 24,32
Outubro Rosa
Genérico
CADASTRAR
Email cadastrado com sucesso! Erro! Não foi possível realizar o cadastro. Carregando ...
Voltar ao topo

Para o perfeito funcionamento do site é preciso que o JavaScript esteja ativado no navegador.
Para ativá-lo, escolha seu navegador e siga as instruções abaixo:

Google Chrome

  1. Clique no ícone do menu na barra de ferramentas do navegador.
  2. Selecione Configurações.
  3. Clique no link Mostrar configurações avançadas....
  4. Clique em Configurações de conteúdo na seção Privacidade.
  5. Selecione Permitir que todos os sites executem JavaScript na seção JavaScript.

Mozilla Firefox

  1. Selecione Ferramentas no menu superior.
  2. Escolha Opções.
  3. Selecione Conteúdo no menu de navegação superior.
  4. Marque a caixa de seleção ao lado de Ativar JavaScript e clique em OK.

Internet Explorer

  1. Selecione Ferramentas no menu superior.
  2. Escolha Opções da Internet.
  3. Clique na guia Segurança.
  4. Clique em Nível personalizado.
  5. Desça até ver a seção Scripts.
  6. Em "Script ativo", selecione Ativar e clique em OK.

Apple Safari

  1. Abra o menu Safari na barra de ferramentas do navegador.
  2. Escolha Preferências.
  3. Escolha Segurança.
  4. Marque a caixa de seleção ao lado de Ativar JavaScript.
Olá, posso ajudar?
Indicativo de Busca
Televendas 11 3990-7720
Chat Fale agora com nossos atendentes