ZOLADEX 3,6MG COM 1 SERINGA

ASTRAZENECA
de R$ 968,32 por R$ 575,96
ou em até 3x de R$ 191,99
Preço para SP: 575,96
Ver condições de parcelamento
- +

Subtotal: 0,00

Enviar Receita Este site é seguro

Consulte o valor do frete e o prazo de entrega

Simular
carregando fretes ...
  • Para que serve

    • Indicado no tratamento de câncer.
  • Ficha Técnica

    • Nome do Produto: ZOLADEX 3,6MG COM 1 SERINGA
    • SKU: 12285
    • Código EAN: 7896206400552
    • Registro Ministério da Saúde: 1161800430011
    • Princípio Ativo: ACETATO DE GOSSERRELINA
    • Fabricante: ASTRAZENECA
    • SAC Fabricante: 0800-014-5578
    • E-mail Fabricante: SAC@ASTRAZENECA.COM.BR
Comprar Zoladex 3,6mg com 1 seringa com melhor preço e entrega em todo o Brasil. Conheça todas as apresentações de Zoladex na categoria de Oncológicos. Zoladex comprar com quem tem mais de 40 anos de tradição.

Código do Produto: 12285

COMPRAR ZOLADEX 3,6MG COM 1 SERINGA

Atenção! Não aceitamos trocas ou devoluções de produtos refrigerados.

Ganhe descontos para compras em quantidade

Pague em até 6x no cartão de crédito

Entregas disponíveis em todo o Brasil

Televendas11 3990-7720

Mais informações sobre o produto:

Comprar zoladex 3,6mg com 1 seringa com o melhor Preço.

Zoladex contra o câncer

O Zoladex é um medicamento que tem como princípio ativo o acetato de gosserrelina, sendo usado no tratamento de câncer de próstata, câncer de mama, controle de endometriose, controle de leiomioma uterino (mioma) e na fertilização assistida.
O Zoladex atua inibindo a liberação do hormônio luteinizante. Dessa forma, nas mulheres diminui a concentração do estradiol; e nos homens, de testosterona. Para que possa causar o efeito desejado, deve ser realizada uma aplicação subcutânea na região abdominal a cada 28 dias. Os primeiros efeitos podem ser sentidos cerca de 21 após primeira injeção.

Zoladex tem efeitos colaterais?

Segundo estudo clínicos e relatos de pacientes que utilizaram Zoladex, foram registrados alguns efeitos colaterais em homens e mulheres.
Nas mulheres, as reações mais comuns foram ondas de calor, aumento da transpiração, aumento da mama, diminuição da libido, acnes, dores de cabeça e ganho de peso. Dentre os casos de menor ocorrências estão a hipersensibilidade, elevação da quantidade de cálcio no sangue e cisto ovariano.
No caso dos homens, com maior frequência, houve relatos de diminuição da libido, disfunção erétil, alterações do humor, insuficiência cardíaca, alteração da pressão sanguínea e a aumento de peso. Os casos menos comuns incluem dores nas articulações, obstrução da uretra, sangramento da hipófise e reações alérgicas.
Caso seja notado qualquer efeito colateral, o médico deverá ser consultado e informado sobre as reações. Ele poderá descontinuar o tratamento ou orientar melhor sobre o tratamento, além de tirar todas as suas dúvidas.

As contraindicações de Zoladex

Zoladex não deve ser consumido por pessoas que possuem sensibilidade ao acetato de gosserrelina ou a qualquer outro componente da fórmula. Para verificar todos os componentes, é necessário ler a bula.Outra contraindicação é para mulheres que estão grávidas ou que pretendem engravidar em um futuro próximo.

Zoladex tem mesmo uma ação efetiva?

Esse medicamento vai atuar no organismo em cima dos hormônios masculinos e femininos, ajudando para a correta atuação deles no corpo. Com isso, o Zoladex colabora para o tratamento do câncer, evitando que o tumor aumente de tamanho. No caso da endometriose, o Zoladex fará com que as paredes do útero retornem ao tamanho normal. Os miomas reduzirão de tamanho com o uso do medicamento. Em ambos os casos, ele ajuda com a diminuição das dores e reduz a perda de sangue durante a cirurgia, quando necessário.
Quando utilizado de forma correta, ele começa a apresentar efeitos benéficos alguns dias após a aplicação, porém, para que tenha um efeito satisfatório, pode ser necessário realizar o tratamento com Zoladex por um período extenso.

Evite a automedicação
Esse medicamento pode trazer danos ao organismo, assim como apresentar reações adversas se não for utilizado corretamente e com o acompanhamento médico. Por isso, é necessário que seja feita a recomendação por um profissional da saúde e que se conheça a forma como Zoladex atua no organismo.

O câncer é uma doença perversa, pois causa muita dor no paciente e acaba se espalhando por outras partes do corpo, minando o funcionamento do organismo. Num estágio mais avançado, quando ocorre a metástase, que é a proliferação das células cancerígenas para outras regiões do organismo, as chances de cura do câncer ficam cada vez mais reduzidas, pois pode atingir órgãos vitais. Entre os tipos de câncer com maior incidência na população em geral, está o câncer de pele. Os cânceres mais específicos que atacam os homens são o câncer da próstata, e nas mulheres, temos os cânceres de mama e de útero. Sabe-se que os casos do câncer de pele é possível tomar medidas preventivas para evitar a doença, como usar sempre filtro solar, mesmo em dias em que hão haja sol; evitar a exposição prolongada aos raios ultravioleta em dias muito ensolarados; e se aparecer qualquer mancha escura com formato irregular ou não, procurar um dermatologista. Já os cânceres mais específicos, como o câncer de próstata e o de mama e útero, os cuidados devem ser maiores, pois envolvem a adoção de uma alimentação mais saudável e equilibrada, prática de exercícios físicos regulares, diminuição ou evitar os excessos de álcool e fumo, entre outras providências. Quando detectado em estágios iniciais, as chances de cura do câncer são muito grandes, por isso, a qualquer sinal anormal no organismo, é sempre recomendável procurar um médico. No caso de suspeita de câncer de próstata, os homens devem procurar o urologista para fazer o exame de toque. O exame irá constatar se a próstata está anormal e assim, confirmar ou não a suspeita da incidência da doença. As mulheres devem procurar o seu ginecologista para fazerem o exame de papanicolau para saber se há ocorrência de câncer de útero ou endometriose, que acontece quando a mucosa que existe na parte interna do útero (endométrio), avança para outras regiões do corpo, como nos ovários, intestino, reto ou bexiga. Quando isso ocorre a dor é intensa e há sangramento irregular. Se a suspeita for o câncer de mama, o médico irá fazer o exame de mamografia com equipamentos específicos que detectam qualquer anomalia nos seios. Mas, e quando o diagnóstico é feito em um estágio mais avançado da doença? Nessas situações, existem os tratamentos mais radicais, como a radioterapia e a quimioterapia que, em muitos casos, conseguem conter o avanço da doença. Em casos mais extremos é preciso uma intervenção cirúrgica. Durante esse período o médico pode receitar medicamentos que fazem o controle da doença, como o Zoladex, que é bastante eficaz e é apresentado em duas versões, o Zoladex 3,6MG, indicado para o controle do(a): - Câncer prostático passível de manipulação hormonal; - Câncer de mama, passível de manipulação hormonal em mulheres que estão em pré-menopausa, fase em que a reprodutividade feminina se encerra; - Endometriose, alivia os sintomas, reduz o tamanho e o número de lesões endometriais e, conseqüentemente, as dores; - Leiomioma uterino, tumor benigno caracterizado pelo crescimento anormal dos músculos uterinos, o uso do medicamento reduz o volume e alivia os sintomas e as dores. Recomendado seu uso antes da realização de cirurgia, pois facilita os procedimentos operatórios, reduzindo a perda de sangue; - Endométrio, diminui a espessura e é recomendado antes da intervenção cirúrgica para controle anormal do sangramento; - Em fertilização assistida, ajuda no bloqueio hipofisário, que é realizado para que não haja perda de óvulos; O Zoladex LA 10,8MG é indicado especialmente para os três primeiros casos, citado acima.


ZOLADEX® 3,6 mg e ZOLADEX® LA 10,8 mg
acetato de gosserrelina
Atenção: seringa com sistema de
proteção da agulha
3,6 mg e 10,8 mg
FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES
Depot e depot de liberação prolongada. Embalagem com uma seringa para injeção subcutânea abdominal previamente carregada com um depot cilíndrico estéril, de coloração cremosa, no qual o acetato de gosserrelina é disperso em uma matriz biodegradável.
USO ADULTO
COMPOSIÇÃO
Cada depot contém:
acetato de gosserrelina.........................3,6 mg
Excipiente: lactato-glicolato.
Cada depot de liberação prolongada contém:
acetato de gosserrelina.........................10,8 mg
Excipiente: lactato-glicolato.
INFORMAÇÕES AO PACIENTE
Ação esperada do medicamento: a melhora dos sintomas é observada no decorrer do tratamento.
Cuidados de armazenamento: conservar em temperatura inferior a 25ºC. Não congelar. O conteúdo da embalagem é estéril até sua abertura. Portanto, não utilize o produto caso sua embalagem interna esteja aberta.
Prazo de validade: vide cartucho. Não use medicamento com prazo de validade vencido.
Gravidez e lactação: informe seu médico a ocorrência de gravidez na vigência do tratamento ou após seu término. Informe ao médico se está amamentando. ZOLADEX é contraindicado para mulheres grávidas ou que estejam amamentando.
Cuidados de administração: siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, a dose e a duração do tratamento. Mulheres que fazem uso de ZOLADEX não devem tomar anticoncepcionais injetáveis e nem pílulas. Durante o tratamento deve ser utilizado um método anticoncepcional não-hormonal. Seu médico irá orientá-la a este respeito.
Interrupção do tratamento: não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Reações adversas: durante o tratamento com ZOLADEX podem ocorrer ondas de calor, dificuldade para urinar, dor nos ossos e, às vezes, reações na pele. Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Ingestão concomitante com outras substâncias: enquanto estiver em tratamento com ZOLADEX não tome nenhum outro medicamento sem o consentimento de seu médico.
Contra-indicações e precauções: ZOLADEX é contra-indicado para mulheres grávidas ou amamentando e para pacientes com hipersensibilidade ao produto. ZOLADEX não deve ser administrado com outros agonistas do LHRH (hormônio de liberação do hormônio luteinizante). Após a aplicação de ZOLADEX, não mexa no local até sua próxima visita ao médico. Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início ou durante o tratamento.
Efeitos sobre a capacidade de dirigir autos e operar máquinas: não há evidência de que a administração de ZOLADEX resulte em comprometimento da habilidade de dirigir autos ou operar máquinas.
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE.
INFORMAÇÕES TÉCNICAS
CARACTERÍSTICAS
Propriedades Farmacodinâmicas
ZOLADEX é um análogo sintético do LHRH que ocorre naturalmente. A administração crônica de ZOLADEX resulta na inibição da secreção de hormônio luteinizante (LH) pela pituitária, o que leva a uma queda nas concentrações séricas de testosterona nos homens e de estradiol nas mulheres. Assim como outros agonistas do LHRH, ZOLADEX inicialmente pode aumentar, de forma transitória, as concentrações séricas de testosterona no homem e de estradiol nas mulheres.
Em homens, por volta do 21o dia após a primeira injeção do depot, as concentrações de testosterona diminuem para uma faixa de castração e assim permanecem com o tratamento contínuo a cada 28 dias e 12 semanas, com as dosagens de ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg, respectivamente. Esta inibição leva a regressão do tumor da próstata e a melhora sintomática na maioria dos pacientes.
Se em circunstâncias excepcionais a administração de ZOLADEX LA 10,8mg não for repetida em 12 semanas, os dados indicam que os níveis de testosterona de castração são mantidos por até 16 semanas na maioria dos pacientes.
Em mulheres, as concentrações séricas de estradiol são suprimidas por volta do 21o dia após a primeira injeção do depot de ZOLADEX 3,6 mg e, com o tratamento contínuo a cada 28 dias, permanecem suprimidas a níveis comparáveis àqueles observados em mulheres na pós-menopausa. Essa supressão está associada com diminuição da espessura do endométrio, a supressão do desenvolvimento folicular dentro do ovário, e uma resposta do câncer de mama hormônio-dependente (tumores que são RE positivos e/ou RPg positivos), endometriose e leiomioma uterino e irá resultar em amenorréia na maioria das pacientes.
Em mulheres, as concentrações séricas de estradiol são suprimidas ao redor de 4 semanas após a primeira injeção do depot de liberação prolongada de ZOLADEX LA 10,8 mg e permanecem assim até o final do período de tratamento. Em pacientes com estradiol já suprimido por um análogo do LHRH, a supressão é mantida com a mudança da terapia para ZOLADEX LA 10,8 mg. A supressão do estradiol está associada com uma resposta da endometriose e do leiomioma uterino, resultando em amenorréia na maioria das pacientes.
O tratamento com análogos do LHRH pode causar a ocorrência de menopausa natural. Raramente, algumas mulheres não retornam a menstruar após o término da terapia.
No início do tratamento com ZOLADEX, algumas mulheres podem apresentar sangramento vaginal de duração e intensidade variáveis. Tal sangramento representa, provavelmente, supressão do estrógeno e espera-se que o sangramento pare espontaneamente.
Propriedades Farmacocinéticas
A biodisponibilidade de ZOLADEX é quase que completa. Sua administração a cada 4 e 12 semanas na dosagem de ZOLADEX 3,6 mg e ZOLADEX LA 10,8 mg, respectivamente, assegura a manutenção de concentrações eficazes, sem acúmulo nos tecidos. ZOLADEX apresenta pouca ligação às proteínas plasmáticas e possui uma meia-vida de eliminação sérica de duas a quatro horas em pacientes com função renal normal, a qual é aumentada na presença de função renal comprometida. Para o composto administrado mensalmente ou trimestralmente na formulação em depot ZOLADEX 3,6 mg ou depot de liberação prolongada ZOLADEX LA 10,8 mg, respectivamente, esta alteração apresentará um efeito mínimo. Por esta razão, não é necessária nenhuma modificação de dose para esses pacientes. Não há alteração significante da farmacocinética em pacientes com insuficiência hepática.
INDICAÇÕES
ZOLADEX 3,6 mg é indicado para:
- Controle de câncer prostático passível de manipulação hormonal.
- Controle de câncer de mama passível de manipulação hormonal, em mulheres em pré e perimenopausa.
- Controle da endometriose aliviando os sintomas, inclusive a dor, e reduzindo o tamanho e o número das lesões endometriais.
- Controle de leiomioma uterino, reduzindo o seu volume, melhorando o estado hematológico da paciente e reduzindo os sintomas, inclusive a dor. É utilizado previamente à cirurgia para facilitar as técnicas operatórias e reduzir a perda sanguinea intra-operatória.
- Diminuição da espessura do endométrio utilizado antes da ablação endometrial. Devem ser administrados dois depots, com uma diferença de quatro semanas entre um e outro, com cirurgia planejada entre zero e duas semanas após a administração da segunda injeção do depot.
- Fertilização assistida: bloqueio hipofisário na preparação para a superovulação.
ZOLADEX LA 10,8 mg é indicado para:
- Controle de câncer prostático passível de manipulação hormonal.
- Controle da endometriose aliviando os sintomas, inclusive a dor, e reduzindo o tamanho e o número das lesões endometriais.
- Controle de leiomioma uterino, reduzindo o seu volume, melhorando o estado hematológico da paciente e reduzindo os sintomas, inclusive a dor. É utilizado previamente à cirurgia para facilitar as técnicas operatórias e reduzir a perda sanguinea intra-operatória.
CONTRAINDICAÇÕES
É contraindicado para pacientes com hipersensibilidade grave conhecida à gosserrelina ou a qualquer componente do produto, grávidas e lactantes.
PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS
O tratamento deve ser realizado sob a supervisão de médico experiente em quimioterapia antineoplásica.
Inicialmente o acetato de gosserrelina, como outros agonistas do LHRH acarreta aumento temporário dos níveis séricos de testosterona. Podem ocorrer piora temporária dos sintomas ou ocorrência adicional de sinais e sintomas de câncer prostático durante as primeiras semanas de tratamento.
Como outros agonistas do LHRH, casos isolados de obstrução ureteral e compressão da medula espinhal têm sido observados. Caso isto ocorra, o tratamento padrão deve ser instituído e, em casos extremos, deve-se considerar uma orquiectomia.
Após tratamento repetido a longo prazo com ZOLADEX, observou-se um aumento na incidência de tumores benignos da pituitária em ratos machos. Embora esta descoberta seja semelhante ao que se observou anteriormente nesta espécie após castração cirúrgica, não se estabeleceu qualquer relevância da mesma em relação ao homem.
Em camundongos, a administração de múltiplas doses a longo prazo para seres humanos produziu alterações histológicas em algumas regiões do sistema digestivo. Estas se manifestaram por hiperplasia celular das ilhotas pancreáticas e uma proliferação celular benigna na região pilórica do estômago, também relatadas como lesões espontâneas nessa espécie. A relevância clínica desses achados não é conhecida.
O uso de ZOLADEX em homens com risco específico de desenvolver obstrução ureteral ou compressão da medula espinhal deve ser cuidadosamente avaliado e os pacientes devem ser acompanhados de perto durante o primeiro mês de tratamento. Se a compressão de medula espinhal ou comprometimento renal devido à obstrução ureteral estiverem presentes, ou existir a possibilidade de sua ocorrência, deve-se instituir tratamento específico para essas complicações.
Deve-se levar em consideração a relação risco/benefício quando existem os seguintes problemas médicos: metástases vertebrais, sensibilidade ao fármaco e uropatia obstrutiva.Pacientes do sexo feminino que estejam fazendo uso de ZOLADEX devem adotar métodos anticoncepcionais não-hormonais durante o tratamento.
O uso de agonistas do LHRH pode causar uma redução da densidade mineral óssea. Dados preliminares sugerem que o uso de ZOLADEX 3,6 mg em combinação com tamoxifeno para pacientes com câncer de mama, pode reduzir a perda mineral óssea. Embora não existam dados específicos com o uso de ZOLADEX LA 10,8 mg, os dados de estudos com ZOLADEX 3,6 mg sugerem que pode haver alguma recuperação da mineralização óssea após a interrupção da terapia. Em pacientes recebendo ZOLADEX 3,6 mg para o tratamento de endometriose, a adição de terapia de reposição hormonal (um agente estrogênico diariamente e um agente progestagênico) reduziu a perda da densidade mineral óssea e os sintomas vasomotores. Não há experiência sobre o uso de terapia de reposição hormonal em mulheres recebendo ZOLADEX LA 10,8 mg.
Uma redução na tolerância à glicose foi observada em homens recebendo agonistas do LHRH. Isso pode manifestar diabetes ou perda do controle glicêmico em casos de diabetes mellitus pré-existente. Portanto, deve-se monitorar a glicose sanguinea.
Dados preliminares sugerem que o uso de um bisfosfonato em combinação com um agonista do LHRH pode reduzir a perda mineral óssea em homens.
Após a interrupção da terapia com ZOLADEX LA 10,8 mg, o tempo para o retorno da menstruação pode ser prolongado em algumas pacientes.
O uso de ZOLADEX pode causar um aumento da resistência cervical e cautela deve ser tomada ao dilatar a cérvix.
Até o momento não há dados clínicos sobre a eficácia do tratamento de afecções ginecológicas benignas com ZOLADEX por períodos superiores a seis meses.
Uso pediátrico
ZOLADEX não é indicado para crianças, pois a segurança e a eficácia da gosserrelina não foram estabelecidas neste grupo de pacientes.
Reprodução assistida
ZOLADEX 3,6 mg deve ser apenas administrado como parte de um regime para a reprodução assistida, sob supervisão de um especialista experiente nesta área. Assim como para outros agonistas do LHRH, existem alguns relatos de Síndrome de Hiperestimulação Ovariana (SHO) associada ao uso de ZOLADEX 3,6 mg em combinação com gonadotrofinas. O ciclo de estimulação deve ser cuidadosamente monitorado para identificar pacientes com risco de desenvolver essa síndrome. A gonadotrofina humana (hCG) deve ser bloqueada, se apropriado.
Recomenda-se cautela ao usar ZOLADEX 3,6 mg em regimes de reprodução assistida em pacientes com Síndrome do Ovário Policístico (SOP), pois pode haver aumento do recrutamento de folículos.
Uso durante a gravidez e lactação
ZOLADEX não deve ser utilizado durante a gravidez, pois há um risco teórico de aborto ou anormalidade fetal se forem utilizados agonistas do LHRH durante a gravidez. Mulheres potencialmente férteis devem ser cuidadosamente examinadas antes do início do tratamento para excluir a gravidez. Devem ser utilizados métodos contraceptivos não hormonais durante o tratamento até o retorno da menstruação. Somente após o retorno da menstruação poderão ser utilizados métodos contraceptivos hormonais.
A gravidez deve ser excluída antes que ZOLADEX 3,6 mg seja utilizado para fertilização assistida. Quando empregado com esse fim, não há evidência clínica que sugira uma associação causal entre ZOLADEX 3,6 mg e qualquer anormalidade subsequente de desenvolvimento de oócito ou gravidez e parto.
O uso de ZOLADEX durante o período de amamentação é contraindicado.
Testes Laboratoriais
A administração de ZOLADEX em doses terapêuticas resulta na supressão do sistema pituitário-gonadal. Os testes diagnósticos das funções pituitárias gonadotrópica e gonadal realizados durante o tratamento com ZOLADEX e até que o fluxo menstrual seja retomado podem apresentar resultados alterados devido a seu efeito supressor. Geralmente a função normal é restaurada dentro de 12 semanas após a interrupção do tratamento.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Não são conhecidas até o momento.
REAÇÕES ADVERSAS
As seguintes categorias de frequência de reações adversas medicamentosas foram calculadas com base em relatórios de ensaios clínicos e fontes pós-comercialização de ZOLADEX 3,6 mg e 10,8 mg.
Tabela 1 - Reações adversas medicamentosas por frequência e Classe de Sistema de órgãos (CSO)
Frequência descrita
CSO
Homens
Mulheres
Muito comum (≥10%)
Alterações psiquiátricas
Diminuição da libidoa
Diminuição da libidoa
Alterações vasculares
Fogachosa
Fogachosa
Alterações de pele e tecido subcutâneo
Hiperidrosea
Hiperidrosea
Alterações do sistema reprodutivo e mamas
Disfunção erétil
N/A
N/A
Ressecamento vaginal
N/A
Alteração no tamanho da mama
Alterações generalizadas e alterações no local de administração
(Vide Comum)
Reações no local da injeção
Comum (≥1% e <10%)
Alterações do metabolismo e nutrição
Diminuição da tolerância à glicoseb
NA
Alterações psiquiátricas
N/A
Alterações no humor, depressão
Alterações do Sistema Nervoso
Parestesia
Parestesia
Compressão da medula espinhal
N/A
N/A
Dor de cabeça
Alterações cardíacas
Insuficiência cardíaca f
N/A
Alterações vasculares
Pressão sanguínea alteradac
Pressão sanguínea alteradac
Alterações de pele e tecido subcutâneo
Rashd
Rashd
Alterações musculoesquléticas, do tecido conjuntivo e ossos
Dor ósseae
N/A
(Vide Incomum)
Artralgia
Alterações do sistema reprodutivo e mamas
Ginecomastia
N/A
Alterações generalizadas e alterações no local de administração
N/A
“Flare” tumoral, dor tumoral
Reações no local da injeção
(Vide Muito comum)
Investigações
Diminuição da densidade mineral óssea
Diminuição da densidade mineral óssea
Incomum (≥0.1% e <1%)
Alterações do Sistema Imunológico
Hipersensibilidade à droga
Hipersensibilidade à droga
Alterações musculoesquléticas, do tecido conjuntivo e ossos
Artralgia
(Vide Comum)
Alterações dos sistemas renal e urinário
Obstrução ureteral
N/A
Alterações do sistema reprodutivo e mamas
Sensibilidade nas mamas
N/A
Frequência descrita CSO Homens Mulheres
Alterações do metabolismo e nutrição
N/A
Hipercalcemia
(observado com o uso de ZOLADEX 3,6 mg)
Raro (≥0.01% e <0.1%)
Alterações do Sistema Imunológico
Reação anafilática
Reação anafilática
Alterações do sistema reprodutivo e mamas
N/A
Cisto ovariano
N/A
Síndrome da hiperestimulação ovariana
(observado com o uso de ZOLADEX 3,6 mg)
Muito raro (<0.01%)
Neoplasias benignas, malignas e inespecíficas (incluindo cistos e pólipos)
Tumor na hipófise
Tumor na hipófise
Alterações endócrinas
Sangramento hipofisário
Sangramento hipofisário
Alterações psiquiátricas
Alterações psicóticas
Alterações psicóticas
Desconhecido
Neoplasias benignas, malignas e inespecíficas (incluindo cistos e pólipos)
N/A
Degeneração de leiomioma uterino
a Estes são os efeitos farmacológicos que raramente exigem a interrupção do tratamento.
b A redução da tolerância à glicose foi observada em homens que receberam os agonistas LHRH. Isso pode se manifestar como diabetes ou a perda do controle da glicemia nos pacientes com diabetes mellitus pré-existente.
c Estes podem manifestar-se como hipotensão ou hipertensão, foram ocasionalmente observadas em pacientes cujo ZOLADEX foi administrado. As alterações são geralmente transitórias, sendo sanadas durante a continuação do tratamento ou após o término da terapia com ZOLADEX. Raramente, tais alterações foram suficientes para exigir intervenção médica, incluindo a retirada do tratamento de ZOLADEX.
d Estes são geralmente leves, muitas vezes regredindo sem interrupção do tratamento.
e Inicialmente, pacientes com câncer de próstata podem enfrentar um aumento temporário de dor óssea, que podem ser tratados sintomaticamente.
f Observado em um estudo fármaco-epidemiológico do uso de agonistas LHRH no tratamento do câncer de próstata. O risco parece ser maior quando usado em combinação com anti-andrógenos.
POSOLOGIA E MODO DE USAR
Adultos: um depot de ZOLADEX 3,6 mg, injetado por via subcutânea na parede abdominal inferior a cada 28 dias nos casos de:
-
Controle de câncer prostático passível de manipulação hormonal.
-
Controle de câncer de mama passível de manipulação hormonal, em mulheres em pré e perimenopausa.
- Controle da endometriose, aliviando os sintomas, inclusive a dor, e reduzindo o tamanho e o número das lesões endometriais.
- Controle de leiomioma uterino, reduzindo o seu volume, melhorando o estado hematológico da paciente e reduzindo os sintomas, inclusive a dor. É utilizado previamente à cirurgia para facilitar as técnicas operatórias e reduzir a perda sangüínea intra-operatória.
- Diminuição da espessura do endométrio: para diminuição da espessura do endométrio antes da ablação endometrial devem ser administrados dois depots de ZOLADEX 3,6 mg, com uma diferença de quatro semanas entre um e outro, com cirurgia planejada entre zero e duas semanas após a administração do segundo depot.
- Fertilização assistida: uma vez atingido o bloqueio hipofisário com ZOLADEX 3,6 mg, a superovulação e a captação de oócito devem ser realizadas de acordo com as práticas normais.
Adultos: um depot de liberação prolongada de ZOLADEX LA 10,8 mg, injetado por via subcutânea na parede abdominal inferior a cada 12 semanas nos casos de:
- Controle de câncer prostático passível de manipulação hormonal.
- Controle da endometriose, aliviando os sintomas, inclusive a dor, e reduzindo o tamanho e o número das lesões endometriais.
- Controle de leiomioma uterino, reduzindo o seu volume, melhorando o estado hematológico da paciente e reduzindo os sintomas, inclusive a dor. É utilizado previamente à cirurgia para facilitar as técnicas operatórias e reduzir a perda sangüínea sanguínea intra-operatória.
Idosos: não é necessário o ajuste da dose para pacientes idosos.
Insuficiência renal: não é necessário o ajuste da dose para pacientes com insuficiência renal.
Insuficiência hepática: não é necessário o ajuste da dose para pacientes com insuficiência hepática.
Crianças: não é recomendado o uso de ZOLADEX em crianças.
Técnicas de Administração
O método adequado para a administração de ZOLADEX está descrito nas instruções abaixo:
- Verifique se não há danos na embalagem antes de sua abertura. Se a embalagem estiver danificada, a seringa não deverá ser utilizada. Não remova a seringa estéril da embalagem até imediatamente antes de seu uso. Verifique se não há danos na seringa e constate se o depot de ZOLADEX está dentro da seringa.
- Coloque o paciente em uma posição confortável, com a parte inferior do corpo discretamente levantada.
- Limpe com algodão uma área na parede abdominal inferior abaixo do umbigo.
- Examine o invólucro aluminizado do produto e a seringa para verificar se existem danos.
- Remova a seringa e verifique que pelo menos parte do depósito de ZOLADEX esteja visível. Como ZOLADEX não é uma injeção líquida, não tente remover bolhas de ar, uma vez que isto pode deslocar o depósito do medicamento.
- Retire a aba de proteção plástica da seringa e descarte-a. Remova a cobertura da agulha.
- Segure a seringa em volta do tubo. Pince com os dedos a pele do abdômen e insira a agulha formando um ângulo de 30 a 45 graus em relação à pele, com a abertura da agulha voltada para cima.
- Continue a inserir no tecido subcutâneo até que a capa protetora toque a pele do paciente.
- Para administrar o depot de ZOLADEX, pressione o êmbolo até um ponto em que não mais consiga fazê-lo. Isso vai ativar a capa protetora. Você pode ouvir um “clique” e sentirá que a capa protetora, automaticamente, começará a deslizar para cobrir a agulha.
- Se o êmbolo não for TOTALMENTE pressionado, a capa protetora NÃO será ativada.
- Retire a agulha e deixe que a capa protetora deslize e recubra a agulha.
- Descarte a seringa em um coletor de agulhas apropriado.
- Faça um curativo leve apenas para proteção.
Nota: A seringa de ZOLADEX não pode ser usada para aspiração. Se a agulha hipodérmica penetrar em um vaso sanguíneo de grande calibre, o sangue será visto instantaneamente no centro da seringa. Se um vaso for penetrado, remova a agulha do local de aplicação e inutilize a agulha e a seringa. Injete um novo produto em um outro local ainda na região abdominal.
Na improvável necessidade de remoção cirúrgica de ZOLADEX , este poderá ser localizado por ultrassom.
Atenção: no interior do invólucro há um disco contendo sílica gel para absorver a umidade. PERIGO. NÃO COMER.
SUPERDOSAGEM
Há experiência limitada com superdosagem em humanos. Nos casos em que ZOLADEX foi administrado em intervalo menor que o indicado ou administrado em altas doses, nenhum efeito adverso clinicamente relevante tem sido observado. Os testes em animais sugerem que nenhum outro efeito, além dos efeitos terapêuticos pretendidos sobre as concentrações de hormônios sexuais e o sistema reprodutor, serão evidentes com doses mais altas de ZOLADEX. Se ocorrer uma superdose, deve ser feito o controle dos sintomas.
PACIENTES IDOSOS
Vide Posologia.
MS - 1.1618.0043
Farm. Resp.: Dra. Daniela M. Castanho - CRF-SP nº 19.097
Fabricado por: AstraZeneca UK Limited - Macclesfield - Cheshire - Reino Unido
Importado e embalado por: AstraZeneca do Brasil Ltda.
Rod. Raposo Tavares, km 26,9 - Cotia - SP - CEP 06707-000
CNPJ 60.318.797/0001-00
Indústria Brasileira
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Nº do lote, data de fabricação e data de validade: vide cartucho.
Todas as marcas nesta embalagem são propriedade do grupo de empresas AstraZeneca.
ZOLZOL_LA002
Logo do SAC: 0800-0145578

Aproveite e Compre também

Os produtos abaixo são relacionados ao produto visitado, aproveite para conhecê-los.

de R$ 2.479,28 por R$ 1.618,23

3x de R$ 539,41

- +
+ mais informações ver produtos semelhantes
Glucerna
Agulhas e Seringas BD
Televendas 11 3990-7720
Chat Fale agora com nossos atendentes
COMPRAR ZOLADEX 3,6MG COM 1 SERINGA

ZOLADEX 3,6MG COM 1 SERINGA

por apenas R$ 575,96